sexta-feira, agosto 03, 2007

Velo


Te vejo, deitada
em sua carruagem,
a última delas,
teu olhar
sereno
me tranqüiliza
deixa-me sóbrio.

Já não me contenho
a saudade, me afoga
e lágrimas.

Quero a despedida
do teu beijo,
que em lábios cerrados,
se encerra
encarcerada.

A clausura, claustrofóbica
de teu leito
agonia-me,
sei que te deixo
sozinha e
covarde, não segui
teus passos.

Em amargo canto,
despeço-me, meu amor,
incontido choro
me assombra.


------------------------------------------

Visitem o Pseudo-Poemas. Leiam também o que publico no Cantábile. Em ambos estão os textos proibidos pela bíblia e pelo Vaticano. E agora também no Memórias Póstumas de um Puto Prestimoso.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics