segunda-feira, abril 28, 2008

Abre Aspas - Uma blogagem coletiva


Hoje, uma caralhada de blogs publica sua postagem para a convocação da Lunna Guedes, o "Abre Aspas". Trata-se de uma homenagem aos poetas que conhecemos, famosos ou anônimos, e aos textos maravilhosos que produzem. Eu não poderia ficar de fora. Tinha que escolher um, ou uma, poeta. Não quis escrever sobre Cecília Meireles, Fernando Pessoa, Mário Quintana ou Pablo Neruda. Resolvi escolher uma pessoa de quem gosto muito e, que juntamente com a Rose Hauenstein, foi uma das pessoas que me estimulou a escrever e a criar esse espaço aqui.

Trata-se de minha amiga e gurua Saramar.

Biografia

Saramar Mendes nasceu analfabeta, no ano da graça do senhor de 1918. 13ª filha, entre 14, de um casal de pobres agricultores no interior de Goiás, sempre foi perseguida pelo estigma sinistro desse número. Mas, a despeito desta sina, desde pequena mostrou-se prendada nas artes. Aos 3 anos escreveu seu primeiro verso na parede de seu quarto, que rendeu um tremendo castigo que durou uma semana. Sem desanimar, continuou sua labuta diária em busca de seu objetivo. Cursou a Escola Normal das Carmelitas Descalças de Aloândia formando-se com honras como professora. Mas ela queria mais. Com a cara e a coragem mudou-se, aos 18 anos, para a cidade grande. Lá, trabalhava durante todo o dia, ensinando aos pequenos, enquanto à noite estudava Letras com ênfase em Literatura Brasileira. Aos 21 anos a sorte bafejou-a. Concorrendo com mais de 5.635 candidatos, conseguiu uma vaga no setor público, onde pode, com calma, se dedicar a sua missão, escrever poesias magistrais e levar suas letras a todos os povos da humanidade. Casou-se em seguida com um rico empresário da região. Seguindo a tradição familiar teve 14 filhos. Em seu último parto, normal, teve gêmeos que nasceram ao mesmo tempo, graças a um esforço hérculeo, portanto não teve um 13º filho, livrando-se então da suposta maldição que a acompanhava.

Entre o serviço público, as tarefas domésticas, a criação da prole e a atenção ao marido pouco tempo restava para se dedicar ao seu projeto de vida. Parecia que o mundo perderia uma poeta. Quando estava quase tudo perdido, Saramar teve uma excelente notícia. Em 2003 ganhou na mega-sena acumulada e assim pode contratar assistentes para ajudá-la com a casa, os filhos e o marido. Investiu também no mundo intrigante da internet. Abriu um blog onde começou a publicar seus textos. Instantaneamente tornou-se um sucesso de público e de crítica.

Hoje escreve em vários blogs e sites. Publicou vários livros e é referência mundial em poesia.

Concluindo. Eu seria injusto em indicar um único poema dela, já que gosto de tantos. Convido a todos que não a conhecem a visitar o seu blog principal, o Falares. Entrem AQUI.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics