sexta-feira, fevereiro 22, 2008

Só, caminho


Entre tantas memórias
teimosas
a tua é que ficou,
caminho por estradas bifurcadas,
cercado pelos bambuzais,
o som melancólico,
da árida brisa.

O caminho, sem fim,
sem pouso tranquilo,
o faço
amparado por bengalas,
esperança e saudade.

Mas só resta a dor perene do fardo,
que nos ombros lanhados,
queima,
não cicatriza.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics