segunda-feira, maio 12, 2008

Réquiem II


Retiro-me, aliviado, desse mundo austero,
Embriagado, a esbórnia era meu bordão,
Queria eu levá-las para o além, também,
Unidas em meu louvor,
Irrequietas amantes, platéia gentil,
Empinadas ancas dadivosas,
Mulheres-dama, as putas.

As trovas que cantei,
Empoleirado em mesas sórdidas,
Trouxeram-me alegrias e tristezas,
Esquinas imundas e fétidas,
Receberam, ávidas, meu regurgitar,
Noviço que era,
Artista imberbe,
Mamulengo dos bordéis.

Desgraças me perseguiram
Odres esvaziados pelo gargalo
Nuvens etílicas, a espuma do mar,
Amargor da ressaca, do desesperado amar.

Eis me aqui, listo,
Insaciado, saudoso, vil
Sigo a luz, o barril.

A expressão requiem aeternam dona eis, significa 'dai-lhes o repouso eterno'.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics