quinta-feira, maio 08, 2008

Disritmia

Ando meio espantado. As coisas vão acontecendo e você, de repente, se vê em meio ao caos. Uma introdução dramática essa. Mas vejo minhas letras e muitas dúvidas me assombram.

As minhas queridas amigas e guruas, a Saramar e a Rose, já tinham me dito isso, que a poesia é, antes de tudo, uma construção vocal. Você escreve, fala e reescreve. Da palavra falada para a escrita, vice e versa. As palavras ditas ditam o ritmo do texto. Interessante, nunca declamei nada que escrevi. Vi uma poeta declamando uma vez, algo fora do comum, de arrepiar.

Olho para o passado destas letras talhadas, não seria capaz de dizer se tem ritmo.

Um desafio.

-------------------------------------

Tem texto novo no Memórias Póstumas. Clique AQUI e conheça a história de Z.


Não entendeu? Clique AQUI.

Aparentemente, no final das contas, o doente já tinha conseguido o remédio pelo SUSto. Para quem entende desse papo jurídico acesse AQUI. Peço desculpas pelo caso.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics