terça-feira, julho 14, 2009

Evoé, baco


E, de súbito,
Morreu.

Fulminado pela cirrose,
Sufocado em bile,
Estremecendo, na sarjeta.

Choraram as putas,
Os mendigos, os cafetões,
Condoeram-se os passantes.

Enfim, liberto, ergueu um brinde,
O primeiro de uma nova vida.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics