sexta-feira, março 13, 2009

O homem que lia


Aquele homem lia,
em voz alta, silencioso, sem desfaçatez,
à luz do dia ou na calada da noite, fria.

Lia tudo que à mão havia,
português, inglês ou javanês,
até livros da Turquia.

Devoravam-no, os livros,
a carne e os olhos, a lucidez,
era assim, de bom grado, que os retribuía.

E o tempo passou, envelheceu
ainda lia voraz, no vai-vem de sua rede,
relembrava as viagens, aventuras e picardias.

Morreu de repente, abraçado, a um gasto volume, em Braille.


Inspirado no livro "Coração de tinta", de Cornelia Funke, Editora Cia das Letras.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics