quinta-feira, janeiro 15, 2009

Testamento


Às traças entrego minhas vestes,
puídas, encharcadas,
por vômito e lama,
das sarjetas que visitei.

Às putas dôo meu ouro,
boa paga pelo amor,
tantas vezes comprado
em urgentes becos .

No bar deixo polpuda herança,
as contas, malditas lâminas,
que fustigam meu pescoço,
mas ali ainda imploro, mais uma vez,
por um rabo.

Rabo-de-galo.


Escrito pelo Bêbado de Rayol, numa esquina qualquer.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics