segunda-feira, setembro 15, 2008

Branco


Eis o papel,
que a tudo aceita,
em sua espera inerte,
por letras imortais.

Quedo-me, tal tolo,
o olhar em branco,
vazia a fantasia.

Meu grito, impotente,
a pena pendente,
sem os traços firmes,
minha salvação.

  ©A Cor da Letra. Template e layout por layla

TOPO  

Clicky Web Analytics